<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d34117314\x26blogName\x3ddi%C3%A1rio+de+um+quiosque\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://diariodeumquiosque.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://diariodeumquiosque.blogspot.com/\x26vt\x3d5113954605552121106', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

diário de um quiosque

O Pacheco Pereira tornou-se uma espécie de Ardinario da política [caracteres extra para não me estragar o template do blog]

O chefe responde

terça-feira, junho 19, 2007

Por vezes dou por mim a pensar que me enganei no local de trabalho. No entanto, rapidamente desfaço as minhas dúvidas: a bagunça impera à minha volta, aquele ramo da macieira que não dá maçãs e se calhar não é mesmo macieira cresce a cada dia que passa, ameaçando rasgar o toldo a qualquer instante, e o taxista das barbas teima em ser servido pela porta das traseiras. Mesmo assim, apesar da bagunça, do ramo e do taxista, a dúvida volta, sob a forma de um fantasma.
Vindo do nada, um vulto surge à minha frente. Pede para me aproximar. Debruço-me sobre a banca, espalmando meia-dúzia de jornais. A curiosidade assola-me. E do outro lado, de rompante, sem autorização, sem passar pela casa da partida, segreda-se a confissão de um modo de vida, mascarada de pergunta: “Chefe... você sabe onde posso encontrar senhoras... você sabe?...”.

A não ser que o leitor seja proprietário de uma casa de alterne ou presidente de um certo clube de futebol, não o estou a ver suficiente preparado para um desafio deste calibre, tão simples e tão bem executado. Não há treino possível. Coloque-se em frente a um espelho e repita comigo, sem se rir: “Caro senhor, lamento mas não possuo informações suficientes para responder com precisão à questão que me coloca”, ou “Sei sim senhor! Você sai ali na 1ª à direita, segue sempre em frente, passa uma rotunda, passa outra, e na 3ª vira à esquerda. Segue em direcção a Chambeiras, passa para Lameças, e daí até à entrada para Conchadas, encontra dessas senhoras a pastar na berma da estrada” . Parece fácil, mas a verdade é que na oral todos chumbam. Como eu. Engasguei-me, tropecei na língua, e entre dois perdigotos cuspi um tímido “não sei”, quando na lateral esquerda do quiosque, no topo, há aos pontapés senhoras semelhantes, em formato digital, a partir de 9,99€. Tótó!
posted by ardinario, 6/19/2007 05:41:00 da tarde

3 Comments:

essas oportunidades de negocio não estão realmente a ser aproveitadas... sabe-se lá quando vais ter outra dessas (salvo seja, claro...) :)
:)
Se o quiosque algum dia fechar, posso aproveitar este nicho
Já lhe tinhas era vendido a página central do correio da manhã.
commented by Anonymous Anónimo, 6/27/2007 3:58 da tarde  

Add a comment