<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d34117314\x26blogName\x3ddi%C3%A1rio+de+um+quiosque\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://diariodeumquiosque.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://diariodeumquiosque.blogspot.com/\x26vt\x3d5113954605552121106', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

diário de um quiosque

O Pacheco Pereira tornou-se uma espécie de Ardinario da política [caracteres extra para não me estragar o template do blog]

Ai ai ai, a minha cabeça!

segunda-feira, maio 07, 2007

-Boa tarde, queria o Correio da Manhã e o... e o ... olha esqueci-me! O Correio da Manhã e o... ai, ai! O que é que ele me pediu?? O Correio da Manhã e o... ai, ai, ai!! Ainda agora ele me disse, foi agora mesmo que estive com ele... ai, ai, ai esta minha cabeça! O Correio da Manhã e o... Olhe diga-me aí os jornais que tem.
-O Jornal de Notícias? O Diário de Notícias? O Público? O 24 Horas? A Bola, o Record, o Jogo?...
-Como é que é esse? O Jogo? O Correio da Manhã e o Jogo? Não. Deixe ver... Record... Record... Esse é que o traz as notícias todas, né? Olhe, à sorte vou levar o Record! (...) Hmmm... se calhar é melhor não... E agora?... Olhe, vou levar só o Correio da Manhã e invento uma desculpa. Digo que o menino está à espera que cheguem os jornais todos.

Assim foi e assim se foi embora a senhora. Com o Correio da Manhã debaixo do braço e uma enorme desculpa sobre os ombros. Não me pareceu uma estratégia propriamente brilhante e sobre mim pesava agora também o facto de pouco ter feito para conduzir a senhora a uma desenlace mais feliz.
No entanto, algo a fez voltar atrás segundos depois. Provavelmente, a óbvia falta de credibilidade de tão esfarrapada desculpa. Desconheço. Certo foi que algo atormentou a sua consciência. Voltou então atrás e disparou decidida: “Dê cá o Record!”. Dobrou-o em quatro e partiu com passo curto, cabisbaixa, ar desconsolado e uma enorme dúvida estampada no rosto, culminando com uma grande certeza: “Não é o Record, não é o Record, não é o Record. Ai ai ai a minha cabeça!”.
Aguardei serenamente pelo seu regresso, pois partilhava da sua grande certeza: não era o Record. Voltou 10 minutos mais tarde, ofegante. “Era o Marlboro, menino, era o Marlboro!”.
posted by ardinario, 5/07/2007 03:05:00 da tarde

6 Comments:

LOL
LOLOLOLOLOLOLOLOL
commented by Anonymous Filipe Leitão, 5/08/2007 1:25 da manhã  
Por falar em Malboro, nunca mais actualizaste o notas de fumo? Já caíste em tentação?
Eu tou a fazer nova tentativa neste momento e posso dizer que contava com o Notas de fumo para me inspirar e ajudar!
Correcto e afirmativo, a tentação já me venceu algumas vezes, o que provocou inevitavelmente o final das postas do blog. Mas a luta continua!
Record e Malrboro: descartáveis, dispensáveis, usar e deitar fora. Vícios tolos. Como confundir jornal com tabaco. Tolices. Ó mundo!...
Zé Luís, tu também és pouco descartável, és... Fazes cá uma falta!
commented by Anonymous Anónimo, 5/12/2007 11:24 da tarde  

Add a comment