<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d34117314\x26blogName\x3ddi%C3%A1rio+de+um+quiosque\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://diariodeumquiosque.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://diariodeumquiosque.blogspot.com/\x26vt\x3d5113954605552121106', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

diário de um quiosque

O Pacheco Pereira tornou-se uma espécie de Ardinario da política [caracteres extra para não me estragar o template do blog]

673

sexta-feira, dezembro 12, 2008

Estou com problemas lá em casa.

Há tempos comprei um kit-tartaruga. Aquele clássico réptil+aquário em forma de piscina com escadaria para um comedouro com palmeira de plástico+frasco de mini camarões. Por pouco mais de 10 euros adquire-se um sarilho destes. A Zita desligou-se do assunto a partir do 3º dia, quando compreendeu que a gaja era fraca companhia. Sobrou para mim, o instigador de tão brilhante ideia. “Ai é? Então vou fazer disto a maior reserva natural de tartarugas do condomínio!”. Voltei à loja e saquei de uma companheira e de um aquário em condições. Totalmente coberto e com rampa de acesso ao 2º piso. Um duplex à maneira, com piscina em baixo e zona de sol em cima, com vistas para o terraço, que por sua vez tem umas vistas óptimas para o rio, isto para quem tem mais de metro e meio de altura, o que não era o caso mas não interessa.

Todo o parágrafo anterior já é um problema, mas algo de estranho se passa. Quando adoptei as tartarugas, elas tinhas exactamente o mesmo tamanho. Hoje, uma delas tem o triplo do tamanho da outra. Das duas uma. Ou ando a criar uma aberração da natureza e não tarda tenho o 24 Horas à porta, ou a tartaruga nº2 anda a passar fome e não tarda tenho a ASAE das tartarugas a estragar-me o Natal.

Nada como ler sobre o assunto. Dirigi-me ao quiosque mais próximo, que como é óbvio tinha uma revista especializada nestas coisas. Bioaquária ou algo do género. Um super mega nicho que não vende 1 exemplar há meses, estava ali pronta a tirar as minhas dúvidas. Blá blá blá blá blá blá blá e às páginas tantas “às tartarugas deve ser oferecida uma zona com água e outra seca, para que possam regularizar a temperatura do corpo blá blá blá blá…”.
Ora, eu ofereci essas condições às gajas, mas é um facto que apenas a magricelas se dá ao trabalho de ir lá acima apanhar banhos de sol. A super obesa só lá vai quando se faz a limpeza semanal, e é um prémio que ofereço a mim próprio, ver o espectáculo de mergulho desamparado do piso 1 para o rés-do-chão.
A conclusão é para mim evidente: as tartarugas engordam quando passam 99% do tempo dentro de água.

Podia dissecar o assunto até à exaustão. Não o faço porque tenho 673 posts no google reader para ler e porque tenho a cabeça inundada com a preocupação de que a este ritmo a super obesa ficará do tamanho de um coelho anão dentro de 3 anos.

Vendo a reserva natural, kitada com filtro e frasco de comida para 2 meses, por 1 euro e meio. Negociáveis.
posted by ardinario, 12/12/2008 04:38:00 da tarde

6 Comments:

Resolves facilmente. Lembras-te do outro que meteu o canário debaixo da torneira?....
commented by Anonymous zezinando, 12/12/2008 11:08 da tarde  
Falta um ginásio. Uma ganha músculo e a outra perde banhas.
Bom, por este andar,não tarda nada e a "maior reserva natural de tartarugas do condomínio", passa para as águas do Mondego...
Há uns anos, também me meti numas trapalhadas dessas. Como o Ardinario, também tive que ler umas coisas, até porque as tartarugas têm umas doenças chatas se não forem convenientemente tratadas. Daquilo que ainda recordo, esse duplex pode não ser o ideal porque, se bem me lembro, do que elas gostavam era do meio por meio: meio corpo fora de água,meio dentro. Isso era conseguido com uma rocha suficientemente larga para elas se agarrarem ou pendurarem.
Quanto aos tamanhos diferentes, isso pode estar relacionado com uma explicação bem mais simples: serem de espécies diferentes.
Mas, convém alertar para o seguinte: se eu percebesse muito disto, as minhas tartarugas ainda estavamvivas...
nem pensar!!!! já me bastou quando adquiri 1 casal de hamsters para o meu filho pequeno e... semanas depois tinha quase 50!! deusmalivre
Ardinário,

Sou jornalista da revista Time Out Lisboa e gostaria muito de falar consigo e fazer uma reportagem sobre o seu trabalho e o seu blogue. Deixo-lhe o meu email: amarques@timeout.pt. Aguardo o seu contacto.
commented by Anonymous Anónimo, 12/15/2008 4:26 da tarde  
zezinando disse...
Resolves facilmente. Lembras-te do outro que meteu o canário debaixo da torneira?....

Nunca mais voltou a fazer a mesma asneira. Tanto o canário como o "outro" :)

Parece que as tugas resolveram hibernar... debaixo de água, o que para mim é uma surpresa. Uma delas vai para a 2ª tentativa, que eu à primeira pensava que ela tinha batido a bot... a caracaça, e dei-lhe um safanão que a acordou do coma.

Zé Bonito, tive a preocupação de comprar da mesma espécie - Tartaruga do Mississipi. Continuo sem entender a diferença de envergadura...

Escarlate, eu também já passei pelos hamsters e respectiva reprodução em massa. É tudo muito bonito da primeira vez, mas aquela malta toda depois exige um espaço só para si.
Mas não está fora de hipótese juntar hamsters com tartarugas. Pode ser que me torne o 1º homem a ensinar um hamster a nadar...

Add a comment