<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d34117314\x26blogName\x3ddi%C3%A1rio+de+um+quiosque\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://diariodeumquiosque.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://diariodeumquiosque.blogspot.com/\x26vt\x3d5113954605552121106', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

diário de um quiosque

O Pacheco Pereira tornou-se uma espécie de Ardinario da política [caracteres extra para não me estragar o template do blog]

Woo!

sexta-feira, setembro 29, 2006

Um visitante deste blog, Woo, colocou-me uma série de perguntas pertinentes que achei por bem colocar aqui, pois as respostas acabam por revelar mais algumas informações importantes para um melhor conhecimento do quiosque.

1-O quiosque tem concorrentes na zona?
2-Pra além do Blogue, quais são os aspectos diferenciadores do Vosso quiosque? I.e. o que me fará ir ao Vosso comprar o Jornal e não ir a outro?


1-Sim, num raio de 500 metros existem mais 3 ou 4
2-Os meus clientes não sabem da existência deste blogue, nem pretendo dar-lhes isso a conhecer. Já pensei em fazer um blogue, com conhecimento dos clientes, com as novidades diárias, mas o público alvo seria muito reduzido. Talvez o venha a fazer em papel...
Se eu fosse cliente, iria comprar o jornal a um quiosque que estivesse próximo e onde fosse bem atendido. Um quiosque não tem o tipo de de produto em que uma pessoa pense "ora bem, estou a precisar de ler um jornal. Onde tem os melhores jornais ou os que têm melhor qualidade/preço?". Não. Os quiosques têm todos a mesma coisa, e com igual qualidade e preço.
Para além disso, existe muito a compra por impulso, pelo que o factor exposição de jornais/revistas, etc... é muito importante. E isso tem vindo a ser substancialmente melhorado neste quiosque.

Pois bem, pelo que me diz, essencialmente o importante é que na sua rua passem mais pessoas do que na rua dos quiosques adjacentes. Quantas pessos passam em média, por dia no seu quiosque? e quais as horas de pico de passagem? E quais as horas de maior venda?
Por seu lado, o chamariz é a montra...o que me parece evidente.
Mas ficamo-nos por aí no que respeita à diferenciação? E a gama de produtos? Não falou nela, mas parece ser importante. Caso contrário, o Expresso (por exemplo) nao colocaria o DVD nas suas últimas edições.
Um atractivo extra para os seus clientes, procurando a diferenciação relativamente a outros jornais.
Um quiosque pode ter, por exemplo, uma máquina de café como os que existem nas bombas de gasolina?
O Vosso quiosque faz entregas de jornais/revistas a empresas ou cafés da zona?
Tem xarutos, cigarrilhas, e outros que tais?
Tem Gelados?


Sim, penso que a localização do quiosque (e na grande parte das lojas) é talvez o factor mais importante para o sucesso do negócio. Quanto a isso, não me posso queixar muito, embora haja concorrência mais bem localizada. Sinceramente não lhe consigo dizer quantas pessoas passam em média no quiosque. Consigo informá-lo sim, que se fazem entre 250 e 300 vendas por dia, podendo não corresponder estas ao número de pessoas que param para comprar algo (um cliente pode comprar 1 jornal e um maço de cigarros p.e. - são 2 vendas e 1 pessoa). As horas de pico de passagem serão talvez as 9.00/9.30 e as 12.30/13.00. As horas de maior venda serão entre as 9 e as 11.
A maior diferenciação serão talvez as fotocópias e a vasta oferta de cartões telefónicos (publico alvo - estrangeiros residentes).
Gama de produtos: jornais, revistas, colecções, pastilhas, tabaco (+ tabaco de enrolar e cigarrilhas), mortalhas, gelados, cartões telefónicos, payshop (carregamento de tlm e pagamento de contas), lotarias, fotocópias, cds, chocolates (no inverno).
A máquina de café é uma hipótese que tenho vindo a considerar, assim como uma máquina de frutos secos e afins. O problema é a falta de espaço. Assim que tiver os novos toldos, deverei avançar para pelo menos uma das situações.
Fornecemos jornais diariamente para 1 café (existem 3 na zona), 1 barbearia e um banco.

1-Quanto à distribuição que o seu quiosque faz na zona...parece-me pouco, sendo uma zona central. Não se esqueça que se tiver uma carteira de clientes próximos e regulares na zona poderá incrementar as suas vendas (opinião de leigo).
Exemplo/questão:
SSuponhamos que consegue na sua zona um conjunto de 20 clientes a quem entrega diáriamente um determinado Jornal.
a) Tem tempo e/ou recursos para fazer essas entregas?
b) Os clientes que hoje pedem um Diário poderão vir a solicitar um semanário, uma revista, etc..?
c) Esses clientes poderão à posteriori solicitar determinados títulos façam ofertas temporais?
d) Poderão esses clientes solicitar "por arrasto" algumas colecções que surjam?
e) Quanto é que poderá vir a ganhar com isso?
2- Voltando aos clientes. Em que tipo de zona se "encaixa" o seu quiosque? Comercial? De negócios? Investidores? Serviços?
Pelo que vejo das vendas, parece-me que a sua clientela se enquadra mais no grupo dos Serviços (como bancários/finanças/tribunal) e que é um quiosque frequentado por um grupo de clientes com formação média/superior.
Por outro lado, deverá também ter pelo menos perto de metade dos clientes com idades superiores a 50 anos (o que lhe levantará dificuldades ao vender pastilhas elásticas).
Acredito mesmo que terá clientes de charutos e cigarrilhas (que não sei se vende).
Também me parece que terá acentuadamente mais clientes masculinos do que femininos.
Pergunto (e sugiro), o seu segmento de clientes pode ou não ter interesse na economia, em títulos económicos sejam jornais ou revistas?
Já pensou fazer uma semana temática da economia para testar os seus clientes? Como? Destacando todas as publicações que estejam ligadas a aspectos económicos que normalmente apresentam títulos como “ As melhores acções”, “os melhores investimentos” etc..etc..?
Arrisco-me a sugerir o destaque, por exemplo, das melhores acções da semana e das piores…enfim, fica a ideia, e se achar interessante, explore-a, porque imaginação e informação, parece-me que não lhe falta.


1.Esta é fácil. De potenciais clientes da zona (essencialmente comercial), já corri tudo. Ou de momento não estão interessados, ou nunca estarão, ou eram fornecidos pela concorrência
2.Gostei da análise. Não é fácil, com ainda tão poucos dados...
1ºZona comercial com alguns bancos
2ºA clientela varia muito. Do arrumador ao quadro superior, tenho de tudo um pouco. Todos contribuem para o bolo final, mas sem dúvida que alguns "dão" mais à casa que outros. Estou a falar daquele tipo de cliente que, por exemplo, não perde uma colecção lançada pelo Publico. Formação superior.
3ºConfirmo, quase metade dos clientes acima dos 50
4ºNão vendo charutos. Cigarrilhas sim, mas poucas. Penso que seja um produto com necessidade de exposição para o exterior, coisa que de momento está esgotada, mas que a curto prazo será preenchida. Ocupar com quê? Charutos e cigarrilhas poderá ser uma das apostas.
Quanto ao género... sinceramente não lhe sei dizer ao certo, mas mais feminino que masculino. Aí uns 60%/40%
5ºGostei da sugestão, e tenho um espaço óptimo para a concretizar. Tenho que pensar bem em que temática apostar... Mas é algo que vou experimentar brevemente, com certeza!

Aproveito para deixar o link para o seu blogue, bem interessante por sinal.
posted by ardinario, 9/29/2006 04:42:00 da tarde

0 Comments:

Add a comment